Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

JUR.NAL ONLINE

Jornal Oficial dos Estudantes da NOVA School of Law

Jornal Oficial dos Estudantes da NOVA School of Law

22
Nov19

Marraquexe II

Jur.nal

miguel marraquexe.jpeg

 

 

Marrakesh é aquele Marrocos que idealizamos. É aquele Marrocos seco, quente e exótico. Marrakesh é cor e agitação. É um ataque aos 5 sentidos. Quase sentimos que não conseguimos absorver tudo, precisávamos de nos focar em cada um dos 5 de cada vez. Mas quando queremos captar bem cada cheiro, há algo que nos enche a vista ou que irrompe pelos nossos ouvidos. Marrakesh é intensa e impactante. Quando queremos tirar uma fotografia "a Marrakesh" não conseguimos. Porque a verdade é que os monumentos da cidade não chegam aos calcanhares daquilo que verdadeiramente existe para visitar: o ambiente. Não conseguimos captar o ambiente numa imagem, pelo menos eu não consigo, porque não sou particularmente dotado. É um local que tem verdadeiramente de ser visitado, pois nenhum relato lhe faz justiça, nenhuma imagem o consegue representar adequadamente.

 

As paredes vermelhas levam-nos para mais longe do que uma travessia de uma hora e meia. As pessoas que frequentam a cidade levam-nos a vários cantos do mundo, uma vez que, ao contrário das outras cidades, existem visitantes de todo o lado a habitar os hostels. As souks da cidade levam-nos a crer que não têm fim. Toda a gente se parece dedicar ao comércio, a "sacar" mais alguns dirahms aos turistas. Sobretudo se forem vestidos de calção beje e polo lacoste como o António. A venda de peixe colocado no chão com a temperatura a marcar os 33 graus e as vespas que infestam os doces vendidos fazem antever o pior, mas os deliciosos sumos naturais da praça jem el-fna acalmam qualquer preocupação e "obrigam-nos" a confiar nos vendedores.

 

Enquanto único local a visitar numa ida a Marrocos, aconselho. Aconselho porque é uma explosão de sensações que não se consegue encontrar em mais nenhuma das outras cidades e é também onde mais sentimos que estamos noutro mundo face à Europa. Mas enquanto primeira etapa de uma viagem de 16 dias pelo país, era desaconselhável. Porquê? Por um lado, porque cada detalhe em Marrakesh é avaliado em, sensivelmente, 5 vezes o preço praticado "para marroquinos" nas outras paragens. Por outro, porque tememos que a viagem seja sempre assim: calor, abordagens permanentes, um frenesim que pretendemos captar e nos foge.

 

Miguel Almeida

(Aluno do 4.º ano da Licenciatura)

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Nós

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Powered by