Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

JUR.NAL ONLINE

Jornal Oficial dos Estudantes da NOVA School of Law

Jornal Oficial dos Estudantes da NOVA School of Law

08
Mar21

As Incoerências Humanas

Jur.nal

328ecdd1-0ef3-4b63-8940-e57ebee5d1c1.jpeg

Tarkovsky's 'Mirror' (1975)

 

Bem que Sartre disse que o inferno eram os outros. E já Bukowski nos tinha tentado avisar de que o amor era um cão dos diabos. Mas quisemos ouvir? Um era estrábico, o outro alcoólico. Um era filósofo existencialista, o outro génio da marginalidade literária. Poderíamos advogar que os ignorámos a ambos, pontualmente, por divergências pessoais mas a verdade é que esta nossa teimosia é bastante universal. 

A raça humana é daquelas que se contradiz e, quando não o faz, é porque está "mentindo", diz-nos o ditado brasileiro. Não só os brasileiros falaram das incoerências, também os portugueses sobre elas escreveram: o último diálogo dos Maias, no Passeio Final, é de uma ironia assertiva. 

Ega, decadente, afirma que se estivesse a coroa imperial de Carlos V à sua espera, se ele para ela corresse, que (ainda assim) não apressaria o passo - que todos os esforços são inúteis e que nenhuma ambição ou esperança nos deve iludir.

Porém, passa o comboio e Ega põe-se a correr com Carlos, contrariando o seu próprio estimado fatalismo: "Lá vem um americano, ainda o apanhamos!" 

Lembro-me de ler este diálogo no secundário e de o ter achado o mais fascinante da obra inteira. 

Quantas vezes não fomos Ega? Quantas vezes, frustrados de alguma expectativa, não dissemos não valer a pena a ambição? Quantas vezes, na agonia de uma ressaca, não prometemos nunca mais beber um licor que fosse? Quantas vezes, na amargura de um desgosto de amor, jurámos não voltar a amar? 

Mas sempre voltamos a tentar embora juremos que não valha a pena. Mas sempre voltamos a erguer o copo, uma ressaca nunca é a última embora juremos que o é. E, invariavelmente, voltamos a beijar novos lábios pois um amor na juventude nunca é o último embora juremos que o é. 

Estas infinitas contraditoriedades nossas, tão miseráveis quanto admiráveis, não são mais do que a nossa teimosia em viver. 

 

Cláudia Paulo (Aluna do 4.º Ano da Licenciatura e Vice-Diretora do Jur.nal)

Nós

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D

Powered by